-->

terça-feira, 28 de novembro de 2017


Electrum-LTC Carteira de Litecoin

Instalação do Electrum-LTC e criação de uma carteira de Litecoin no Ubuntu Linux


Neste tutorial vamos mostrar como instalar uma carteira de Litecoin simples e fácil de usar, chamada Electrum-LTC, no Ubuntu Linux. Essa carteira é suportada no Windows, Linux e Mac OS X. A versão mais atual, quando este artigo foi escrito, é a 2.9.3.1, lançada em agosto de 2017. Possivelmente, quando você estiver lendo este artigo, uma nova versão terá sido lançada, mas a instalação deve continuar sendo realizada da mesma forma, mudando apenas o número da versão no comando a executar.

Como se trata de uma instalação no Linux, vamos usar o terminal e por isso não é necessário acessar o site oficial por meio de um navegador para baixar o software, mas caso você queira se informar melhor sobre o Electrum-LTC o site é https://electrum-ltc.org. No site também é possível baixar o código-fonte do aplicativo, caso você queira compilá-lo por si próprio antes de instalar.

Instalação do Electrum-LTC


A instalação é bem simples. Abra um terminal e execute o comando a seguir, que irá instalar pacotes relacionados ao Python necessários, incluindo o gerenciador de pacotes do Pythom, o pip:

sudo apt-get install python-qt4 python-pip python-dev

Após executar o comando anterior, vamos instalar o Electrum-LTC usando o pip por meio do comando a seguir:

sudo pip2 install https://electrum-ltc.org/download/Electrum-LTC-2.9.3.1.tar.gz

Quando a instalação finalizar, você poderá abrir o aplicativo executando o comando electrum-ltc, ou ainda clicando no ícone no Dashboard:

electrum-ltc

Abrindo o Electrum-LTC no Ubuntu Linux
Abrindo o Electrum-LTC no Ubuntu Linux via Dashboard

Assim que o programa for aberto pela primeira vez, será requisitada a criação de uma nova carteira de Litecoin, ou a importação do arquivo de uma carteira existente. Se você já tiver uma carteira, ou preferir criá-la usando outro serviço como o liteaddress.org, copie o arquivo dela para o computador e importe-a clicando no botão Escolher...

Vamos criar uma nova carteira, de nome carteira-testes. Digite o nome da carteira na caixa de textos Carteira, e clique no botão Próximo para avançãr:

Criar uma nova carteira de Litecoin com Electrum-LTC
Criar uma nova carteira de Litecoin com Electrum-LTC

Na tela seguinte você deve selecionar o tipo de carteira de Litecoin desejada. Vamos criar aqui uam carteira padrão, por isso escolheremos a opção "Standard wallet". Clique no botão Próximo para prosseguir com a criação da carteira:

Selecionar o tipo da carteira de Litecoin com Electrum-LTC
Selecionar o tipo da carteira de Litecoi
 Na tela seguinte temos a opção criar uma nova seed (semente) para geração das chaves criptográficas, ou restaurar uma carteira usando uma semente existente. Vamos selecionar a opção "Create a new seed" para criar uma nova semente e clicar novamente em Próximo:

Criar seed para carteira de litecoin Electrum-LTC
Criar seed para carteira de litecoin Electrum-LTC
 Na tela seguinte será exibida sua semente para geração da carteira, que consiste em uma série de palavras aleatórias. Anote as palavras em um papel, e guarde-as em local seguro, pois elas serão necessárias caso você precise recuperar a sua carteira se ocorrer algum problema com a máquina.
Clicando no botão Opções é possível estender essa semente usando palavras personalizadas, o que aumenta o nível de segurança da semente.
Clique em Próximo:

Semente criada na carteira de Litecoin
Semente criada na carteira de Litecoin
 Na tela seguinte você deve confirmar a semente digitando-a novamente no local apropriado, e então clicando em Próximo:

Digitar a semente no Electrum-LTC
Digitar a semente no Electrum-LTC

 Na próxima tela crie uma senha para criptografar o arquivo da carteira, e mantenha a caixa "Criptografar o arquivo da carteira" marcada. Use uma mistura de letras maiúsculas e minúsculas, números e símbolos para aumentar a segurança da senha. Clique em Próximo logo após.

Criptografar carteira de Litecoin
Criptografar carteira de Litecoin

Aguarde alguns instantes enquanto a carteira é criada.
Após criar a carteira, ela será aberta na guia Histórico, onde você poderá consultar o histórico de suas transações em Litecoin:

Carteira de Litecoin no Electrum-LTC no modo de Histórico
Carteira de Litecoin no Electrum-LTC no modo de Histórico
Para enviar dinheiro a alguém ou efetuar um pagamento, clique na guia Enviar e preencha os campos necessários para realizar a transação:

Enviar Litecoins com Electrum-LTC
Enviar Litecoins com Electrum-LTC
E para receber um pagamento em Litecoins, clique na aba Receber e preencha os campos de Descrição, Quantidade Solicitada e Data de Expiração do Pedido, e informe o endereço da carteira para quem irá lhe enviar os Litecoins, ou mostre o QRCode da carteira:

Receber Litecoins com wallet Electrum-LTC
Receber Litecoins com a carteira Electrum-LTC
É isso aí! O Electrum-LTC possui muitas opções de configuração, sobre as quais falaremos nos próximos artigos.

Até lá!



quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Como configurar Encaminhamento de Portas usando o Linux IPFire






quinta-feira, 6 de julho de 2017

Como instalar o WordPress no Ubuntu Linux

Como instalar o WordPress - Sistema de Gerenciamento de Blogs no Linux Ubuntu

Neste vídeo vamos mostrar como instalar o popular sistema de gerenciamento de conteúdo Web WordPress no Ubuntu Linux.



Anterior: Como instalar o Webmin - Interface Web para Gerenciamento do Sistema no Linux Ubuntu

Próximo: Editor GNU Emacs - Instalação e criação de arquivos no Linux Ubuntu - 01


Como instalar o Webmin no Ubuntu Linux

Como instalar o Webmin - Interface Web para Gerenciamento do Sistema no Linux Ubuntu

Neste vídeo vamos mostrar como instalar e utilizar o sistema de gerenciamento via web Webmin no Ubuntu Linux.


Anterior: Instalação do Joomla - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web no Linux Ubuntu



Arch Linux - Gerenciamento de Pacotes com pacman

Arch Linux - Gerenciamento de Pacotes com pacman

Neste vídeo, vamos mostrar como utilizar o gerenciador de pacotes Pacman no Arch Linux, que permite instalar e remover pacotes, além de realizar gerenciamento de dependências no sistema.



Anterior: Arch Linux - Repositórios e lista de Espelhos


 Arch Linux - Repositórios e lista de Espelhos


Arch Linux - Repositórios e lista de Espelhos

Neste vídeo vamos mostrar como configurar os repositórios e lista de espelhos no Arch Linux, de modo a permitir a atualização do sistema e instalação de  novos pacotes.



Anterior: Arch Linux - Configurações básicas de Rede



Arch Linux - Configurações básicas de Rede

Arch Linux - Configurações básicas de Rede

Neste vídeo vamos mostrar como realizar configurações básicas de rede no Arch Linux, incluindo configuração de endereço IP, máscara de sub-rede e arquivos de configuração.


Próximo: Arch Linux - Repositórios e lista de Espelhos

terça-feira, 4 de julho de 2017

Instalando o LAMP - Linux, Apache, MariaDB e PHP - no Linux openSUSE 13.2

Instalando o LAMP - Linux, Apache, MariaDB e PHP - no Linux openSUSE 13.2

Neste vídeo vamos mostrar como realizar a instalação da pilha LAMP, que consiste no servidor web Apache, sistema de gerenciamento de bancos de dados MariaDB e linguagem de programação para web PHP, no Linux openSUSE 13.2.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Vulnerabilidade Stack Clash em sistemas Unix, Linux e Solaris

Vulnerabilidade Stack Clash

A empresa de segurança Qualys anunciou que descobriu uma nova vulnerabilidade que afeta sistema Unix e Linux, batizada de Stack Clash.

Trata-se de uma vulnerabilidade no sistema de gerenciamento de memória de diversos sistemas operacionais, incluindo o Linux, OpenBSD, FreeBSD e o Solaris, tanto em plataformas 32 e 64 bits.

O Stack Clash pode ser explorado por invasores para realizar a execução de códigos arbitrários ao corromper a memória do sistema.

Os pesquisadores da Qualys desenvolveram sete exploits após descobrir a vulnerabilidade, além de sete provas de conceito (PoC), e então trabalharam em conjunto com fabricantese desenvolvedores para criar patches de correção para os sistemas.

Como o Stack Clash opera

De acordo com os pesquisadores, "cada programa executado em um computador usa uma região de memória especial chamada de Pilha (stack). Esta região de memória é especial porque ela cresce automaticamente quando o programa precisa de mais memória de pilha. Porém, se ela crescer demais e chegar muito próxima de outra região de memória, o programa pode confundir a pilha com a outra região de memória. Um invasor então pode explorar essa confusão para sobrescrever a pilha com a outra região de memória, ou o inverso".

Como se proteger contra o Stack Clash

A maneira mais fácil e segura de proteger seu sistema é atualizá-lo, como de praxe. A empresa de segurança tem trabalhado com os fornecedores afetados desde o início de maio, e hoje, patches e atualizações já estão disponíveis.

Fonte: Blog da Qualys


quinta-feira, 22 de junho de 2017

Cheat Sheet - atalhos de teclado do shell bash
 

Atalhos do Shell Bash - Cheat sheet

Por Fábio dos Reis

O shell Bash é, sem dúvidas, o mais comum e utilizado em ambientes Linux e Unix. Por conta disso, o domínio de sua utilização é muito importante para que o administrador do sistema, ou mesmo usuário comum, possa trabalhar com eficiência e alta performance.

Neste artigo trazemos uma série de atalhos de teclado do bash, que permitem ao usuário operar com muito mais facilidade e agilidade em uma série de tarefas triviais e também complexas.

Edição na linha de comandos:


Ctrl + a
Voltar para o início da linha de comandos

Ctrl + e
Ir para o final da linha de comandos

Ctrl + k
Apagar caracteres a partir da posição do cursor até o final da linha de comandos

Ctrl + u
Apagar caracteres a partir da posição do cursor até o início da linha de comandos

Ctrl + w
Apagar caracteres a partir da posição do cursor até o início da palavra - apaga uma palavra

Ctrl + y
Cola uma palavra ou texto que foi recortada usando um atalho de exclusão após o cursor

Ctrl + xx
Mover o cursor entre o início da lnha de comandos e a posição atual dele, ida e volta.

Alt + b
Mover o cursor uma palavra para trás (direção do início da linha de comandos), ou ir para o início da palavra onde o cursor está posicionado atualmente.

Alt + f
Mover o cursor uma palavra para frente (direção do final da linha de comandos), ou ir para o final da palavra onde o cursor está posicionado atualmente.

Alt + d
Exclui os caracteres até o final da palavra, iniciando na posição atual do cursor, o que significa a palavra inteira se o cursor estiver no início da palavra

Alt + c
Capitalizar (tornar maiúscula) o caractere onde o cursor está posicionado, e mover o cursor para o final da palavra.

Alt + u
Colocar os caracteres em caixa alta (maiúsculas) a partir da posição do cursor até o final da palavra

Alt + l
Colocar os caracteres em caixa baixa (minúsculas) a partir da posição do cursor até o final da palavra

Alt + t
Trocar a palavra atual com a anterior

Ctrl + f
Mover o cursor um caractere adiante

Ctrl + b
Mover o cursor um caractere para trás

Ctrl + d
Apaga o caractere sob o cursor

Ctrl + h
Apaga o caractere anterior á posição do cursor

Ctrl + t
Troca o caractere sob o cursor com o caractere anterior a ele

Trabalhando com o histórico:


Ctrl + r
Procurar os comandos anteriores do histórico (busca reversa)

Ctrl + g
Sair do modo de busca do histórico

Ctrl + p
Mostra o comando anterior no histórico (volta no histórico) -> similar à seta para cima

Ctrl + n
Mostra o comando posterior no histórico (avança no histórico) -> similar à seta para baixo

Alt + .
Usar a última palavra do comando anterior

Controle de comandos:


Ctrl + l
Limpa a tela

Ctrl + s
Interrompe a saída na tela, para comandos que exibem saída verbosa muito longa.

Ctrl + q
Permite a saída na tela, caso tenha sido interrompida com Ctrl + s

Ctrl + c
Finaliza o comando em execução atualmente

Ctrl + z
Suspende ou interrompe a execução do comando

Comandos Bang do Bash (reexecução de comandos):


!!
Executa novamente o último comando

!xyz
Executa novamente o comando mais recente que se inicia com os caracteres 'xyz'

!xyz:p
Mostra o comando que !xyz iria rodar (mas sem execuá-lo), adicionando-o ao final da lista de comandos do histórico.

!$
Usar a última palavra do comando anterior (o mesmo que Alt + .)

!$:p
Mostra a palavra que a sequência !$ iria substituir, mas sem executar o comando.

Quer aprender muito mais sobre o shell bash? Assista ao curso de Shell Scripting da Bóson Treinamentos em Tecnologia:


É isso aí! Até a próxima!
 Instalação do Joomla - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web no Linux Ubuntu

Instalação do Joomla - Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Web no Linux Ubuntu

Por Fábio dos Reis

Neste vídeo vamos mostrar como obter e instalar o sistema de gerenciamento de conteúdo web Joomla, no Ubuntu Linux:



Anterior: Como Instalar LAMP e phpMyAdmin no Linux Ubuntu



Como Instalar LAMP e phpMyAdmin no Linux Ubuntu 12.10

Como Instalar LAMP e phpMyAdmin no Linux Ubuntu 12.10

Por Fábio dos Reis

Neste vídeo vamos ensinar a baixar e instalar a pilha LAMP no Ubuntu Linux.

LAMP é um pacote de software para desenvolvimento web que inclui o servidor web Apache, banco de dados MySQL e a linguagem de programação PHP, rodando no Linux.


Anterior: Como resetar senhas de usuários esquecidas (incluindo root) no Linux Ubuntu



Como resetar senhas de usuários esquecidas (incluindo root) no Linux Ubuntu

Como resetar senhas de usuários esquecidas (incluindo root) no Linux Ubuntu

Por Fábio dos Reis

Neste vídeo vamos mostrar os procedimentos necessários para resetar senhas de usuários esquecidas ou perdidas, incluindo do usuário administrador root em sistemas Ubuntu Linux



Anterior: Configurar servidor de arquivos com SAMBA no Ubuntu Linux - 02




Configurar servidor de arquivos com SAMBA no Ubuntu Linux

Servidor de Arquivos com Samba no Linux Ubuntu - Parte 02

Por Fábio dos Reis

Nesta segunda parte de nosso tutorial sobre servidor SAMBA, continuamos a configuração do servidor de arquivos no Ubuntu Linux, e realizamos alguns testes com ele.



Anterior: Configurar servidor de arquivos com SAMBA no Ubuntu Linux - 01



Configurar servidor de arquivos com SAMBA no Ubuntu Linux

Servidor de Arquivos com Samba no Linux Ubuntu - Parte 01

Por Fábio dos Reis

Nesta primeira parte do tutorial, vamos mostrar como criar e configurar um servidor de arquivos usando SAMBA em uma máquina com Ubuntu Linux



Anterior: Como instalar plugins e codecs para multimídia no Ubuntu Linux



Como instalar plugins e codecs de mídia no Ubuntu Linux

33 - Instalação de Plugins e Codecs para multimídia (MP3, AVI, etc.) no Ubuntu Linux

Por Fábio dos Reis

Neste vídeo vamos mostrar como realizar a instalação de plugins e codecs para multimídia no Ubuntu Linux, de modo a permitir a execução de arquivos de mídia, com músicas em MP3 e vídeos em AVI e outros formatos.



Anterior: Como instalar o Skype no Ubuntu Linux



terça-feira, 20 de junho de 2017

ransomware erebus ataca servidores linux

Pesquisadores de segurança da empresa Trend Micro descobriram recentemente um malware que tem um grande potencial para infectar servidores baseados em Linux. O malware, chamado de Erebus, já é responsável por sequestrar 153 redes baseadas em Linux de uma empresa de hospedagem de sites sul-coreana chamada NAYANA.

O que é o Erebus

O Erebus é um ransomware capaz de infectar sistemas operacionais Linux. Por conta disso, cerca de 3.400 clientes da NAYANA foram afetados devido ao ataque com bancos de dados, sites e outros arquivos sendo criptografados.

Esse ataque ocorreu no dia 10 de junho último (2017). Até o momento, a NAYANA ainda não recebeu as chaves para decifrar seus arquivos, apesar de terem pago já três partes do resgate. A quarta parte, que deveria ser a última parcela, ainda não foi paga. No entanto, de acordo com NAYANA, os atacantes disseram que iriam fornecer a chave após três pagamentos terem sido realizados.

De acordo com o relatório da Trend Micro, o Erebus foi originalmente descoberto em setembro de 2016. Na época, o malware não era tão prejudicial e estava sendo distribuído por meio de propagandas contendo malware. Uma vez que o usuário clicava nesses anúncios, o ransomware era ativado da maneira usual.

A versão inicial do Erebus afetava apenas 423 tipos de arquivos, usando o algoritmo de criptografia RSA-2048, criptografando os arquivos com a extensão .encrypt. Além disso, essa variante estava usando uma série de sites na Coréia do Sul como um centro de comando e controle.

Alguns meses mais tarde, em fevereiro de 2017, o malware evoluiu, pois agora tinha a capacidade de trespassar o Controle de Conta de Usuário (UAC) do sistema operacional Windows.

Agora, no entanto, o Erebus obteve não somente a capacidade de contornar o UAC do Windows, mas também a de afetar redes inteiras que são são baseadas no sistema operacional Linux.

O ransomware para Linux, apesar de ser um pouco inferior à variante que ataca o Windows, ainda é potente o suficiente para causar danos em grande escala. Isso ocorre porque uma série de organizações e datacenters usam o Linux, e sequestrar esses sistemas pode causar uma grande catástrofe digital.

Como se proteger contra o Erebus

Para evitar que ocorram problemas graves, os funcionários e empresas de tecnologia que operam redes baseadas em Linux precisam tomar algumas precauções sérias. O principal manter os servidores atualizados com o mais recente software de firmware e anti-vírus, além das atualizações comuns do sistema operacional.

Além disso, é sempre muito importante manter um backup de seus arquivos importantes em dois ou até mesmo três locais separados. Também é recomendado evitar a instalação de programas de terceiros desconhecidos, pois estes podem atuar como potenciais gateways para infecção por malware.

Finalmente, os administradores de TI devem monitorar continuamente o tráfego que passa pela rede e procurar quaisquer anomalias, identificando eventuais inconsistências nos logs de eventos do sistema - e agindo imediatamente se algo suspeito for encontrado.

Fonte: Relatório da Trend Micro



Instalação do Skype no Ubuntu Linux

32 - Como instalar o Skype no Ubuntu Linux 13.04

Neste vídeo vamos mostrar como efetuar a instalação do Skype no Ubuntu Linux:


Anterior: Instalação do ambiente gráfico Cinnamon no Ubuntu Linux

Próximo: Como instalar plugins e codecs para multimídia no Ubuntu Linux


Como instalar o ambiente gráfico Cinnamon no Ubuntu Linux

31 - Instalação da interface gráfica Cinnamon no Ubuntu Linux

Neste vídeo vamos mostrar os procedimentos para a instalação do ambiente gráfico Cinnamon no Ubuntu Linux.


Anterior: Instalação do ambiente gráfico GNOME 3 (GUI) no Ubuntu Linux

Próximo: Como instalar o Skype no Ubuntu Linux


domingo, 18 de junho de 2017

 Instalação do ambiente gráfico GNOME 3 (GUI) no Ubuntu Linux

30 - Instalação do GNOME 3 (GUI) no Ubuntu Linux

Neste vídeo vamos mostrar os procedimentos para a instalação do ambiente gráfico GNOME 3 em um computador com Ubuntu Linux e interface Unity.


Anterior: Como configurar um Servidor FTP básico no Ubuntu Linux

Próximo: Como instalar o ambiente gráfico Cinnamon no Ubuntu Linux



Como configurar um Servidor FTP básico no Ubuntu Linux

29 - Servidor FTP básico no Ubuntu Linux

Neste vídeo vamos ensinar a configurar um servidor FTP básico no Ubuntu Linux, para a transferência de arquivos na rede.


Anterior: Backup e Restauração de Arquivos e Pastas com Dèja-Dup no Ubuntu Linux

Próximo: Instalação do ambiente gráfico GNOME 3 no Ubuntu Linux



Backup e Restauração de Arquivos e Pastas com Dèja-Dup no Ubuntu Linux

28 - Backup e Restauração de Arquivos e Pastas com Dèja-Dup no Ubuntu Linux

Neste vídeo vamos mostrar como trabalhar com o utilitário Dèja-Dup para realizar o backup e a restauração de arquivos e diretórios no Ubuntu Linux.




Anterior: GParted - Gerenciamento de partições e formatação via GUI no Ubuntu Linux

Próximo: Como configurar um servidor FTP básico no Ubuntu Linux


Paticionamento e formatação de discos com GParted no Linux Ubuntu

27 - GParted - Gerenciamento de partições e formatação de discos via GUI no Ubuntu Linux


Neste vídeo vamos apresentar o utilitário GParted, que permite efetuar o gerenciamento de partições no Linux, incluindo particionamento e formatação de discos em diversos sistemas de arquivos diferentes.



Anterior: FSTAB - Ponto de Montagem permanente para Sistemas de Arquivos no Ubuntu

Próximo: Backup e restauração de arquivos e pastas com Dèja-Dup no Ubuntu Linux


quinta-feira, 15 de junho de 2017

Configurar ponto de montagem permanente com arquivo fstab no Ubuntu Linux


26 - FSTAB - Ponto de Montagem permanente para Sistemas de Arquivos no Ubuntu


Neste vídeo vamos mostrar os procedimentos para configurar ponto de montagem permanente para partições formatadas, por meio do arquivo fstab no Ubuntu Linux



Anterior: Particionamento, Formatação e Montagem de Discos no Ubuntu Linux

Próximo: Utilitário GParted - Gerenciamento e formatação de partições via GUI no Linux


Particionamento, formatação e montagem de discos no Ubuntu Linux
 

25 - Particionamento, Formatação e Montagem de Discos no Ubuntu Linux

Neste vídeo vamos mostrar os procedimentos para realizar o particionamento, a formataçaõ e a montagem de discos rígidos no Linux Ubuntu.




Anterior: Como criptografar Volumes e Pastas com EncFS no Ubuntu Linux

Próximo: Arquivo fstab - Configurando ponto de montagem permanente no Linux


Como criptografar volumes e pastas com EncFS no Ubuntu Linux
 

24 - Como criptografar Volumes e Pastas com EncFS no Ubuntu Linux

Neste vídeo vamos mostrar como criptografar volumes e pastas por meio do utilitário EncFS no Ubuntu Linux



Anterior: Como bloquear o Ping usando o firewall do Linux Ubuntu UFW via arquivo de configuração

Próximo:Particionamento, Formatação e Montagem de discos no Ubuntu Linux

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Como bloquear o ping no Ubuntu Linux usando o firewall UFW e arquivo de configuração

23 - Como bloquear o Ping usando o firewall do Linux Ubuntu UFW via arquivo de configuração

Neste vídeo vamos mostrar como usar o firewall UFW para bloquear mensagens de ping (ICMP) no Ubuntu Linux, por meio de um arquivo de configuração.


Anterior: Firewall GUFW - Interface Gráfica para o UFW no Ubuntu Linux

Próximo: Como criptografar volumes e pastas com EncFS no Ubuntu Linux


GUFW - Interface gráfica para o firewall UFW no Linux Ubuntu

22 - Firewall GUFW - Interface Gráfica para o UFW no Ubuntu Linux

Neste vídeo vamos mostrar como instalar e usar o GUFW, uma interface gráfica para o firewall UFW no Linux Ubuntu.


Anterior: Configurar Firewall UFW No Linux Ubuntu - Parte 2 - Configurações Intermediárias

Próximo: Como bloquear o ping no Ubuntu usando o firewall UFW e arquivo de configuração


Como configurar o firewall UFW no ubuntu Linux - parte 02

21 - Como configurar o Firewall UFW no Linux Ubuntu - parte 2 - configurações intermediárias

Neste vídeo continuamos a realizar as configurações no firewall UFW do Ubuntu Linux, trazendo opções intermediárias de ajustes do software.

Os comandos utilizados no vídeo são os seguintes:

Permitir tráfego por IP específico:
sudo ufw allow from <endereço IP>
Ex.:
sudo ufw allow from 192.168.1.145

Permitir tráfego por subrede:
sudo ufw allow from 192.168.1.0/24

Permitir tráfego por porta específica e endereço IP:
sudo ufw allow from <endereço IP> to <protocolo> port <núm. porta>
Ex.:
sudo ufw allow from 192.168.1.34 to any port 22
any significa qualquer protocolo.

Permitir tráfego por porta específica, IP e protocolo:
sudo ufw allow from <IP> to <protocolo> port <núm. porta> proto <nome protocolo>
Ex.:
sudo ufw allow from 192.168.1.50 to any port 22 proto tcp

Habilitar/desabilitar PING:
Por padrão, as requisições de ping são permitidas. Para desabilitá-las, mude as linhas no arquivo /etc/ufw/before.rules:
#ok icmp codes
(comentar as 5 linhas)
(reiniciar o firewall, desabilitando e reabilitando para que ele releia o arquivo de configuração).

Trabalhar com números de referência:
Excluir regra numerada (número 1):
sudo ufw delete 1

Exemplo avançado de bloqueio de serviços:
Você quer bloquear o acesso ao ssh dos ips 192.168.1.10 e 192.168.1.20, mas liberar o resto da rede 192.168.1.0 via tcp:

sudo ufw deny from 192.168.1.10 to any port 22
sudo ufw deny from 192.168.1.20 to any port 22
sudo ufw allow from 192.168.1.0/24 to any port 22 proto tcp

Lembre-se: regras mais específicas primeiro, pois só a primeira correspondente é aplicada!!!

Assista ao vídeo agora para obter informações detalhadas sobre os comandos apresentados:



Anterior: Configurar Firewall UFW no Linux Ubuntu - parte 01

Próximo: Firewall GUFW - Interface gráfica para o firewall UFW no Ubuntu Linux


Como configurar o firewall UFW no Linux Ubuntu - 01

20 - Configurar Firewall UFW no Ubuntu Linux - parte 01

Nesta lição em vídeo vamos mostrar a configuração inicial do firewall UFW no Linux Ubuntu, para bloqueio e liberação de tráfego de rede na máquina.

Os comandos utilizados no vídeo são os seguintes:

Instalar o ufw:
sudo apt-get install ufw -y

Verificar o status do firewall:
sudo ufw status verbose

Listar as regras com um número de referência:
sudo ufw status numbered

Habilitar o firewall:
sudo ufw enable
Isto habilita um firewall que bloqueia todas as requisições de entrada por padrão.

Desabilitar o firewall:
sudo ufw disable

As regras criadas ficam armazenadas em /etc/ufw

Permitir um serviço:
sudo ufw allow <porta>/<protocolo (opcional)
Exemplo:
sudo ufw allow 22/tcp
Habilita todo o tráfego na porta tcp 22 (ssh)

Bloquear um serviço:
sudo ufw deny <porta>/<protocolo(opcional)
Exemplo:
sudo ufw allow 22/tcp
Habilita todo o tráfego na porta tcp 22 (ssh)

Excluir uma regra:
sudo ufw delete <regra>
Ex.:
sudo ufw delete allow 22/tcp

Permitir ou bloquear tráfego por serviço (serviços podem ser consultados em less /etc/services):
sudo ufw allow|deny <nome do serviço>
Ex.:
sudo ufw deny ssh

Negar saída para web:
sudo ufw deny out 80

Assista ao vídeo a seguir para obter explicações detalhadas sobre os comandos apresentados:


Anterior: Criar e excluir pastas pelo terminal e pela interface gráfica no Ubuntu

Próximo: Configurar Firewall UFW no Ubuntu Linux - parte 02


Como adicionar e apagar pastas no ubuntu Linux pelo terminal e GUI

14 - Criar e Excluir Pastas via Terminal e GUI no Ubuntu Linux 12.10

Neste vídeo vamos mostrar como criar pastas (diretórios) no Ubuntu linux, tanto pela linha de comandos no Terminal, quanto pela interface gráfica.


Anterior: Estrutura do Sistema de Arquivos no Ubuntu e comando tree

Próximo: Configurar firewall UFW no Linux Ubuntu - Parte 01


Seguir por email

Posts mais Populares

Seguidores do Google+

Fábio dos Reis. Tecnologia do Blogger.

Qual sua distribuição Linux preferida?

Total de visualizações de página